sábado, 22 de setembro de 2018

Afinal


Porque se escolhe isto e não aquilo 
quando afinal se privilegia 
algo próximo do silencio?

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

A origem da incerteza


Os pequenos mundos por nós falados
constroem a origem da incerteza.
As palavras trazem dentro de si
outras palavras. Assim é
o não ser do ser,
assim é o prazer de
sofrer, a alegria de viver.

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Possibilidades


Quando nos encontramos, sentimos necessidade de nos perdemos. Quando nos perdemos, a parte boa são as possibilidades que se abrem para nos encontrarmos.

sábado, 15 de setembro de 2018

Insanidade


Se o mundo enlouqueceu de vez, a que pedaço de insanidade me devo agarrar? Ao pedaço menos insano de ti? Isso não me salvará. Antes me infectará. A minha insanidade é o valor mais caro que possuo. Não abdico dela por nada. Por ela atravesso os dias na escolha da solidão. Porque de facto, Babel fala mais alto nestes tempos. Cada pessoa tem o seu dialecto e ninguém se entende. E neste desentendimento, é na mediocridade que se descobre território comum. Eu coço as tuas costas e tu coças as minhas.Apenas não desafies a minha língua ou eu a tua.Condenados a insanos rios de solidão, contruimos pontes de fósforos que ligam margens em chamas.

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Fuck it!


A destruição do mundo


«E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor. Porque as primeiras coisas são passadas.»
Apocalipse 21:4

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Rir hoje


Não precisamos de rir hoje. Não precisamos de rir agora.
Não precisamos de rir para a fotografia. 
As pessoas gostam tanto de nos ver a rir! 
Mas não precisamos de rir hoje.
Hoje foi o fim de mais uma relação.
Esta foi longa, parecia ser a tal, mas acabou.
Não precisamos de rir hoje. 
Não depois de apesar de nos sentirmos na merda,
ainda tivemos de esfolar os joelhos e dar cabo das calças
no tombo totalmente desamparado que demos. E depois, 
com os nervos ainda magoamos o pé no pontapé que demos na árvore
que estava mesmo ali.
Mostrar os dentes para quê? 
Acordamos tarde, não lavamos a porra dos dentes, e logo hoje
tinhamos de estar com o amigo com a mania das fotografias
e posta tudo o que fotografa. Aparecer sério? Não!
Caia o carmo e a trindade!
Oh, gosto mais de ti a rir. Estás triste? Está tudo bem?
NÃO! Apenas não sentia vontade de rir!
Sou exactamente a mesma pessoa.
Além disso, hoje foi dia de deixar de estar na ignorância.
Foi dia de saber mais do que desejaria, foi dia de tiro pela culatra.
Hoje foi dia de cuspir para o chão, temos pena!
Foi dia de cerrar os dentes e os lábios para não começar 
para ali a chorar ou a gritar sem mais nem menos no meio da rua.
Hoje foi dia de não apetecer ligar a ninguém! 
Que se foda toda a gente.
Que se foda todo o tempo que lhes dei 
e todo o tempo que não me deram.
Não, não precisamos de rir hoje, pode ser? Ou é demais para vocês?
É demais para as vossas vidas de merda 
e as vossas emoções de merda 
a fazerem de conta que são emoções de merda. 
E as vossas frases bonitas e frases lindinhas que não são vossas
e antes fossem, porque me fazem vómitos por serem tão charoposas
e tão absolutamente automáticas, 
como se um pouco de óleo numa engrenagem se pudesse comparar 
com a lubrificação entre as pernas de uma mulher com tesão por nós.
Isso é real. Pelo menos naquele momento. 
Depois passa, como tudo passa.
Putas mal resolvidas que nos dão cabo da vida. 
E claro, nós deixamos. 
E depois rimos para disfarçar todo o estilhaçar interior.
Mas hoje não é dia de rir. É dia de dar pancadinhas nas costas
e de as sentir nas nossas. Sim, está tudo bem.
Tudo. Tudo mesmo? Até o que está mal? Claro, isso não se pergunta.
Melhor rir. Mas hoje não é dia para rir.
Lábios cansados, dentes cansados, hálito cansado, 
como quando vinhas ter comigo sem te lavares. 
Hoje não há risos nem carros na rua.
Hoje adoro ver os cães a conduzirem os seus donos, 
apenas não venham na minha direcção! Não quero saber, nao quero 
o meu cão a interagir com o vosso enquanto olham para mim a rir.
É suposto eu rir de volta? É que só quero que o meu cão cague.
E sim, saio para a rua sem saquinho de plástico 
para apanhar a merda do meu cão.
Hoje é dia para ter saudades dos dias em que fumava, 
em que era uma besta egoísta. 
Apenas não me atirem o vosso fumo para cima de mim. 
Principalmente se estivermos todos na esplanada, 
enquanto os arrumadores de carros vão gritando 
e recebendo as moedinhas
das gajas que saem do supermercado. As putas. 
Depois ainda se queixam deles.
Foda-se, ao menos o café estava bom. O café estava de facto bom!
Isto devia vir no jornal, ao lado dos jogadores de futebol
e as celebridades do costume a rirem como se não houvesse amanhã.
Mas hoje não precisamos de rir, está bem? Podemos ter um dia triste? 
Podemos ter uma expressão facial em conformidade? 
Podemos ser reais?
Seja lá o que isso for. Saber o que se quer, saber o que se precisa,
saber para onde se vai não dá felicidade! 
Deixem-se de escrever livros a dizer o contrário!
Sermos nós próprios e seguirmos o nosso caminho
traz consigo sempre uma certa solidão. Ponto final!